Pós em Engenharia Ferroviária: onde e por que fazer?

Quais os melhores cursos em Engenharia Ferroviária? Como trabalhar na área da Engenharia Ferroviária? Qual o salário de quem trabalha com Engenharia Ferroviária? Veja as principais dicas e informações do segmento.



O que é Engenharia Ferroviária?

A engenharia ferroviária está relacionada à área de transportes com foco em linhas férreas e de metrô. Os profissionais da área atuam principalmente nos processos de operação das vias, mas podem atuar também nos sistemas eletroeletrônicos para a circulação das locomotivas, bem como na investigação e prevenção de acidentes ferroviários e metroviários.

O setor ferroviário vem ganhando grande destaque, pois é uma solução que proporciona mobilidade alternativa ao transporte rodoviário, além de ser mais sustentável.

O que faz um Engenheiro Ferroviário?

O Engenheiro Ferroviário gerencia operações e manutenção de ferrovias, planeja linhas férreas, acompanha construção de pontes e fiscaliza obras de infraestrutura.


Além disso, um engenheiro ferroviário realiza:

  • projeto e execução de infra e superestrutura ferroviárias;

  • prevenção e investigação de acidentes ferroviários e metroviários;

  • controle de qualidade e manutenção de material rodante (locomotivas, vagões e carros de passageiro);

  • Implantação de tecnologias mais modernas no área, tais como inteligência artificial e big data aplicada a ferrovias;

  • análise da dinâmica de interação veículo-via em ferrovias;


O Engenheiro Ferroviário é incumbido também de gerenciamento de projetos, gerenciamento das operações de carga, planejamento e fiscalização de linhas férreas.

Qual o salário de um Engenheiro Ferroviário?

A faixa salarial do Engenheiro Ferroviário fica entre R$ 8.117,22 (média do piso salarial 2021 de acordos coletivos), R$ 8.912,96 (salário mediana da pesquisa) e o teto salarial de R$ 16.367,40, levando em conta profissionais em regime CLT de todo o Brasil, conforme o site salarios.com.br.

Como trabalhar com Engenharia Ferroviária?

Muitos investimentos na expansão da malha ferroviária têm garantido o crescimento atual da indústria ferroviária. O setor ferroviário tem chamado a atenção no cenário brasileiro devido a necessidade do país em atingir um crescimento sustentável.


Também, a preocupação com a mobilidade urbana tem sido responsável por investimentos em novas linhas de metrôs, trens de superfície, monotrilhos e trens de alta velocidade. Atualmente, centenas de empresas do setor ferroviário estão instaladas no Brasil.


Grandes empresas que atuam na área de Ferrovias, tais como VALE, RUMO, MRS, VLI, MRN, FTC e Ferropar estão constantemente em busca de profissionais qualificados que possam desempenhar os melhores trabalhos na área da Engenharia Ferroviária, mas para isso, você deve se especializar.

Além das gigantes empresas do setor, existem várias outras com longa atuação na área, tais como a Alcoa, que opera a Estrada de Ferro Juruti, a Jari Celulose que opera a Estrada de Ferro Jari, a Ferroeste, que opera a linha Guarapuava-Cascavel e a Transnordestina. Isso sem falar nas empresas metroviárias que operam transporte de passageiros, tais como CBTU, CMSP, CPTM, SuperVia, MetrôRio, CCR Metrô Bahia, dentre outras.

O mercado atual espera contar com profissionais que busquem o autodesenvolvimento o tempo todo. Fazer uma Pós pode ser uma boa saída.


Onde e por que fazer especialização em Engenharia Ferroviária?

Você será um estudante pelo resto da sua vida. Se você fará isso através dos caminhos acadêmicos ou será um autodidata, a opção é sua, mas parar de estudar não é uma alternativa viável no mercado de hoje. Fazer uma pós-graduação pode ser uma boa opção. Mas, não apenas para ter um certificado que ficará guardado em sua gaveta.


A escolha de um boa Pós-graduação ou MBA na área da engenharia ferroviária deve ter por base 3 coisas:

1) professores que sejam formadores de opinião nos seus setores;

2) uma turma que possua profissionais que já atuem na área, permitindo um forte networking; e

3) disciplinas alinhadas com a prática do mercado.


Em uma Pós em Engenharia Ferroviária é fundamental que você veja, pelo menos, as seguintes áreas ou módulos:

1. Elaboração de Projetos Ferroviários: concepção, metodologias e estudos de viabilidade

2. Indústria 4.0: Inteligência Artificial aplicada a Ferrovia

3. Infra e Superestrutura Ferroviária

4. Investigação e Prevenção de Descarrilamentos e Acidentes Ferroviários

5. Modelagem e Simulação de Malhas Ferroviárias

6. Gestão Ágil de Projetos e Indicadores de Desempenho em Ferrovias


São áreas relevantes do setor para que você tenha capacidade técnica de atuar no segmento de forma segura.

Você deve estar pensando: legal, mas isso só é possível para quem puder desembolsar grandes valores. Nada disso! Existem instituições de ensino que ofertam Pós-Graduações na área da engenharia ferroviária em alto nível e com um justo custo-benefício, como a Pós-Graduação do Instituto Navigare em Engenharia Ferroviária na Indústria 4.0 (link). Vale a pena conferir.

Qual o perfil e o cenário de mercado para o Engenheiro Ferroviário hoje?

O desafio da indústria ferroviária é encontrar profissionais qualificados. Os setores de projeto de obras de superestrutura ferroviária, operações de locomotivas e vagões são os mais bastante demandados. Engenheiros formados em Engenharia de Produção, Mecânica, Elétrica, Civil, Metalúrgica, Material, Eletro-eletrônica, de Controle e Automação e Mecatrônica com uma especialização na área largam com boa vantagem competitiva no mercado.

Apesar de um baixo investimento na construção de novas ferrovias durante longas décadas, há uma previsão de expansão para os próximos anos. O mesmo vale para a malha metroviária, já que com o grande crescimento dos centros urbanos se busca expandir as opções de locomoção para a população. Estima-se que até 2025 o Brasil expanda sua malha ferroviária a ponto de que ela corresponda a 35% da matriz de transporte no país, sendo que atualmente esse percentual é de 25%. Este objetivo busca aproximar o Brasil da malha ferroviária e metroviária de outros países.


Ah, e só mais uma dica: Networking é fundamental!

O seu sucesso profissional está também diretamente relacionado aos contatos que você cultiva ao longo da vida. Dessa forma, ter uma boa rede profissional de contatos tornou-se algo fundamental nas carreiras.


A aproximação com pessoas e a criação do seu círculo social é algo que pode se dar de várias formas: em um curso, na faculdade, no trabalho, na sua igreja, etc.


Na área ferroviária a participação nos eventos da da Federação das Indústrias local é sempre um excelente ponto de partida. Sempre bom ficar atento também aos Workshops e Congressos que acontecem no setor. Nele sempre estão presentes gerentes, diretores e advogados de grandes empresas com atuação ferroviária. Adicionalmente, uma boa estratégia é redigir artigos e publicá-los no LinkedIn ou em suas redes sociais. Isso poderá lhe dar autoridade.


Um ponto importante: a rede de contatos deve ser alimentada sempre, e não apenas quando você precisa de alguma coisa. Networking não é uma relação onde você só ganha. É uma relação de troca e, às vezes, você tem que dar o primeiro passo. Dificilmente você terá êxito se pensar em apenas ganhar. Ajudar pessoas é a melhor forma de começar.


Outro ponto de destaque é que a máxima “quem não é visto não é lembrado” vale muito. E uma das maneiras mais comuns de fazer isso é nas redes sociais. Mantenha suas redes atualizadas e publique suas participações nos eventos do setor. Ter um bom networking o ajudará a se manter na mente das profissionais do setor quando surgirem novas oportunidades.


Gostou do artigo? No blog da Navigare (link) você pode conferir muitos outros assuntos!

Posts Recentes